top of page

Poema de António Nobre






Georges! anda ver meu país de romarias E procissões! Olha estas mocas, olha estas Marias! Caramba! dá-lhes beliscões! Os corpos delas, vê! são ourivesarias, Gula e luxúria dos Manéis! Têm orelhas grossas arrecadas, Nas mãos (com luvas) trinta moedas, em anéis, Ao pescoço serpentes de cordões, E sobre os seios entre cruzes, como espadas, Além dos seus, mais trinta corações! Vá! Georges, faz-te Manel! viola ao peito, Toca a bailar! Dá-lhes beijos, aperta-as contra o peito. Que hão-de gostar! Tira o chapéu, silêncio! Passa a procissão (...) António Nobre - Lusitânia no Bairro Latino

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

O Esboço da Filigrana

O ponto de partida para criação de uma peça de filigrana é o desenho, geralmente feito numa folha de papel pelo próprio artesão ou seleccionado por ele de uma panóplia de desenhos-modelos pré existent

bottom of page